Ex-presidente da OAS diz que Lula o orientou a destruir provas de propina durante a Lava Jato – Araraquara News

Ex-presidente da OAS diz que Lula o orientou a destruir provas de propina durante a Lava Jato

EBC

Lula é réu na Lava Jato em Curitiba

O ex-presidente da OAS Léo Pinheiro disse na tarde esta quinta-feira (20), em depoimento ao juiz Sérgio Moro no âmbito da Operação Lava Jato, que o ex-presidente Lula o orientou pessoalmente a destruir provas de ilícitos, como propinas, depois de deflagradas as investigações. Segundo o empreiteiro, o petista é, de fato, o dono o sítio em Atibaia que, segundo investigadores, recebeu melhorias pagas com dinheiro desviado do esquema de corrupção que consistia em fraudes na Petrobras.

“Lula me orientou a destruir documentos durante a Lava-Jato”, relatou Léo Pinheiro.

De acordo com Léo Pinheiro, a destruição das evidências que pudessem incriminar o petista foi discutida com o próprio ex-presidente em encontro secreto, em maio de 2014. Naquela ocasião, a Lava Jato se aprofundava nas investigações sobre a rede de corrupção instalada na estatal petrolífera por meio de cartel de empreiteiras que, como a OAS e a Odebrecht, fraudavam contratos e superfaturavam obras.

Leia também:   Dilma sabia de caixa dois, dizem João Santana e Mônica Moura à Justiça eleitoral

No depoimento a Moro, Léo Pinheiro detalhou situações incriminatórias para o ex-presidente Lula, como as reformas e pequenas construções em um sítio localizado em Atibaia (SP), frequentemente usado pela família Lula. O empreiteiro também fez referência às tratativas que envolveram um tríplex do Guarujá, região litorânea de São Paulo, em que investigadores suspeitam de ocultação de patrimônio. Lula nega ser dono do sítio ou ter participado de qualquer irregularidade em relação ao imóvel do Guarujá.

Assista a trecho do depoimento:

 

Abaixo, os demais trechos do depoimento de Léo Pinheiro:

Parte 2

Parte 3

Parte 4

Parte 5

Parte 6

 

veja mais

O impostor – o que há em comum entre a Lava Jato e o livro de Javier Cercas