Novos alvos terapêuticos na luta contra o câncer – Araraquara News

Novos alvos terapêuticos na luta contra o câncer

iG São Paulo

O conhecimento mais detalhado sobre como o câncer se desenvolve abriu caminho para a descoberta de novos alvos para o tratamento destas doenças

Célula do câncer em formato 3D

Célula do câncer em formato 3D

Foto: shutterstock/Reprodução

O que é o câncer?

Estamos falando de um conjunto de doenças (mais de 100) bastante semelhantes quanto à sua origem e desenvolvimento, mas que apresentam diferenças importantes em sua apresentação, forma de evolução e respostas aos tratamentos.

Leia também: saiba todos os detalhes da 2ª  edição da Icesp Run – corrida pela saúde que acontece no dia 21/05 em São Paulo

Todo câncer surge a partir de uma série de alterações no material genético da célula (DNA), as chamadas mutações, que vão se somando até transformar radicalmente o comportamento da célula.

As células transformadas, que passam a se multiplicar para formar os tumores, apresentam algumas características comuns.  

Estímulo permanente para proliferar

Os tecidos normais mantém um controle rigoroso sobre a multiplicação de suas células. Esse processo ocorre na dependência de fatores de crescimento, que irão se ligar aos receptores da célula.

Para escapar desse controle, as células do câncer podem produzir os fatores de crescimento que irão estimula sua própria multiplicação, aumentar o número de receptores para os fatores de crescimento ou tornar esses receptores mais sensíveis ao estímulo dos fatores. Qualquer que seja o “caminho escolhido”, o resultado é uma célula em processo constante de multiplicação.

Oportunidade: alguns medicamentos atuam se ligando aos receptores de fator de crescimento, impedindo assim a ativação da célula.  

Escape dos processos de inibição

O organismo possuiu vários mecanismos para inibir a proliferação de células cancerígenas. Vários deles são determinados por “genes supressores”.

Para se desenvolver, além de se manter continuamente estimuladas para crescer, as células malignas precisam escapar desses mecanismos de inibição.

Leia também: Câncer e hereditariedade: 10% dos casos estão relacionados a herança genética

Resistência aos mecanismos de morte celular

A morte celular programada (apoptose) representa uma barreira importante para o desenvolvimento do câncer.

Quando uma célula normal acumula muitos problemas, ela naturalmente se destrói. Mas a célula do câncer consegue desenvolver diferentes estratégias para escapar desse mecanismo.

Oportunidade: Já estão em testes clínicos avançados medicamentos capazes de ativar os mecanismos de morte celular, impedindo assim o acúmulo de células malignas no organismo.

Possibilidade de replicação infinita

A maioria das células do corpo só é capaz de se multiplicar algumas vezes ao longo da vida. Essa limitação é, em grande parte, definida pela maturidade da célula.

Quando uma célula vence esta limitação e passa a se multiplicar continuamente, dizemos que ela se “imortalizou”. A célula maligna se imortaliza para seguir o caminho da malignidade.

Estímulo para formação de novos vasos sanguíneos

As necessidades de nutrientes e oxigênio do tumor só podem ser supridas com o desenvolvimento de um sistema vascular de suporte. Para que isso ocorra, a célula maligna estimula a formação de novos vasos sanguíneos, em um processo denominado angiogênese.

Oportunidade: Inibidores de angiogênese já estão em uso há muitos anos, mostrando-se eficazes no tratamento de diferentes doenças.

Invasão e formação de metástases

A capacidade de invadir estruturas vizinhas e se estabelecer em tecidos distantes de sua origem são características mais marcantes e assustadoras das células malignas.

Instabilidade genômica

A aquisição de todas as características listadas depende fundamentalmente da alteração sucessiva do material genético dessas células.

Promoção de inflamação

A infiltração do tecido tumoral por células inflamatórias foi sempre interpretada como uma tentativa de resposta do organismos contra o câncer. Entretanto, alguns dados mais recentes indicam que estas células podem, na verdade, ser parte de uma tentativa do tumor escapar do sistema imunológico.

Reprogramação do metabolismo celular

Para se perpetuar, as células neoplásicas se mostram capazes de ajustar seu metabolismo de forma a viabilizar seu crescimento e divisão.

Escape do sistema imunológico

As células neoplásicas se mostram capazes de inativar os componentes do sistema imunológico (por exemplo, linfócitos T) enviados para sua destruição.

Oportunidade: uma nova classe de medicamentos capaz de inibir um dos mecanismos de escape da célula tumoral já está no mercado, mostrando-se eficaz em um número crescente de doenças. 

Leia também: Saiba o que se pode fazer para reduzir a incidência do câncer na nova geração

As características fundamentais do câncer, conforme proposto por Hanahan e Weinberg.

As características fundamentais do câncer, conforme proposto por Hanahan e Weinberg.

Foto: Hallmarks of Cancer: The Next Generation Cell 144, March 4, 2011


Dr. Claudio Ferrari

Oncologista Clínico

Assessor de Diretoria do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo

Secretário de Comunicação da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC)

A corrida

A corrida e caminhada ICESP RUN 2017 será realizada no dia 21 de Maio de 2017. A largada da prova acontece às 7h na Praça Charles Miller, localizada na frente do Estádio Paulo Machado de Carvalho- Pacaembu-na cidade de São Paulo com qualquer condição climática.

Poderão participar da prova atletas de ambos os sexos, regularmente inscritos. A corrida é uma iniciativa do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp). Clique aqui e saiba tudo.

Fonte IG

veja mais

Acidente envolvendo moto e pedestre em Araraquara

Publicidade
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com