Vida para a Unila – um grito contra a emenda que extingue universidade criada no governo Lula – Araraquara News

Vida para a Unila – um grito contra a emenda que extingue universidade criada no governo Lula

Cobertura completa da Operação Lava Jato

Ignorância, burrice, demagogia, clientelismo eleitoral, fascismo, idiotia, insensibilidade, desconhecimento, arrogância ou qualquer outro adjetivo que me escapa no momento​ eu​ poderia usar.

Ou​,​ quem sabe​,​ optar somente por um, ao ​me ​referir​ ao deputado Sérgio Souza ​(PMDB​​-PR).

Posso também não usar nenhum, e​ é ​exatamente ​isso que vou fazer. Não vou adjetiv​á​-lo. Se algum leitor ou leitora quiser​,​ que o ​faça. Escrevo isso porque já recebi várias mensagens xingando-o​ por ter apresentado uma emenda aditiva ​à Medida Provisória 785/2017. Tal emenda propõe a extinção da Universidade Federal da Integração Latino​​-Americana (​Unila) e ​a ​cria​ção​ ​d​a Universidade Federal do Oeste do Paraná (UFOPR).

Na mesma emenda​,​ o inteligente deputado propõe que os ​c​ampi​ de Palotina e Toledo​ da histórica e respeitada Universidade Federal do Paraná​ passem a pertencer ​à UFOPR.

​De uma tacada só​,​ o diligente deputado mata uma ​u​niversidade e amputa outra, tudo em nome da ignorância e do ódio. Ignora a história de ambas as ​universidades e investe no ódio ao governo Lula​,​ por ter criado a ​Unila.

Quando deputado federal​,​ tive a honra e o orgulho de defender a criação da ​Unila, e dentro do pouco que podia fiz o máximo na sua formulação, constituição e construção. No Parlamento, mais especificamente na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, fui o relator do ​p​rojeto de ​l​ei que originou a ​Unila.

A ​Unila foi proposta pelo presidente Lula em 2007. O ​projeto tramitou por quatro ​c​omissões, e em todas foi profundamente debatid​o​. E,​ após debates​,​ aprovado. Agora​,​ numa canetada, sem nenhum debate e com profundo viés autoritário, o deputado​ peemedebista​ Sérgio Souza​ propõe a extinção de uma ​universidade símbolo e única na e para a América Latina.

Divulgação

Para Dr. Rosinha, extinguir a Unila seria “burrice, demagogia, clientelismo eleitoral, fascismo, idiotia, insensibilidade, desconhecimento, arrogância…”

Como símbolo e por ser única, foi proposta com​o​ sede a cidade de Foz do Iguaçu – onde​,​ além do marco de três fronteiras, há o marco de uma empresa binacional, a Ita​ipu. E onde, ​mesmo antes de Cabral aqui colocar os pés, os povos viv​iam​ integrados. A guerra da tríplice aliança não foi feita pelo povo.

 

A U​nila começou a funcionar em 2010 e teve sua primeira turma com 200 alunos. E, como símbolo da integração, composta por brasileiros, uruguaios, paraguaios e argentinos. Todos proveniente de países do Mercosul.

Junto ​à Unila, desde 2009, funciona o Instituto Mercosul de Estudos Avançados (I​mea​), portanto antes da ​Unila. O que o deputado propõe para o ​Imea? Também sua extinção?

Muitos países no mundo, principalmente os mais avançados, oferecem cursos de graduação ou pós-graduação para estrangeiros. E não fazem isso por bondade ou caridade​. F​azem isso como estratégia política. Fazem isso porque​,​ por meio de suas escolas e universidades​,​ passam seus valores, sua língua e sua cultura. Fazem isso porque ganham corações e mente​s​ de quem ali estuda. Fazem isso porque terão em terras estrangeiras defensores de suas políticas, língua, cultura, etc.

A U​nila, criada pela ​Lei 12.189/2010, tem como objetivo (Art. 2º) “ministrar ensino superior, desenvolver pesquisa nas diversas áreas de conhecimento e promover a extensão universitária, tendo como missão institucional específica formar recursos humanos aptos a contribuir com a integração latinoamericana, com o desenvolvimento regional e com o intercâmbio cultural, científico e educacional da América Latina, especialmente no Mercado Comum do Sul – ​Mercosul”.

O parágrafo primeiro define como característica atuar “nas regiões de fronteira, com vocação para o intercâmbio acadêmico e a cooperação solidária com países integrantes do Mercosul e com os demais países da América Latina”. O parágrafo segundo estabelece que os “cursos ministrados na Unila serão, preferencialmente, em áreas de interesse mútuo dos países da América Latina, sobretudo dos membros do Mercosul, com ênfase em temas envolvendo exploração de recursos naturais e biodiversidades transfronteiriças, estudos sociais e linguísticos regionais, relações internacionais e demais áreas consideradas estratégicas para o desenvolvimento e a integração regionais”.

Ao contrário de outros países​,​ a U​nila tem como objetivo a integração, o crescimento econômico, social e humano da região.

Não adjetivei o deputado porque sei que é um homem inteligente. E​,​ inteligente que é​,​ vai retirar a emenda aditiva que propôs ​à MP 785.

Mais sobre crise política

Fonte: Dr. Rosinha

veja mais

Preço da gasolina pode ter maior alta em 13 anos