Um estudo dinamarquês mostrou que o  intercâmbio de vacinas contra a Covid-19 da AstraZeneca e Pfizer proporciona uma boa proteção. Segundo anunciado pelo Instituto Estatal de Soro da Dinamarca (SSI), nesta segunda-feira (2), "14 dias após um programa combinado de vacinação, o risco de infecção de SARS-CoV-2 é reduzido em 88% na comparação com indivíduos não-vacinados".

 

A informação é importante sobretudo em países como a Dinamarca, onde a imunização com a vacina da AstraZeneca foi  suspensa em abril por causa de seus possíveis efeitos colaterais raros.

Mais de 144 mil dinamarqueses, a maioria profissionais da saúde e idosos, receberam uma primeira dose da AstraZeneca e a segunda da Pfizer ou da Moderna. O resultado, 88% de proteção contra infecções da Covid-19, é considerado bom, ainda mais comparado à taxa de  eficácia de 90% de duas doses da vacina Pfizer.

Um outro estudo dinamarquês, publicado na semana passada, que foi feito entre fevereiro e junho deste ano, quando a variante Alfa foi predominante, também chegou a resultados semelhantes. Ele não conseguiu concluir, no entanto, se a mesma  proteção se aplica à variante Delta.