Araraquara News

Pesquisadores do CDMF revelam desempenho citotóxico do hidróxido de titânio IV em células do tumor de bexiga

Brasil 162 Acessos

Pesquisadores do CDMF revelam desempenho citotóxico do hidróxido de titânio IV em células do tumor de bexiga

Mais estudos irão avaliar sua aplicação na terapia contra o câncer

IMPRIMIR
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.

Comumente, as nanopartículas de dióxido de titânio (TiO2-NP) são utilizadas em tratamentos de fototerapia contra o câncer, uma vez que possuem a possibilidade de serem ativadas no comprimento de onda de luz UV, produzindo, dessa forma, moléculas de estresse oxidativo que levam as células cancerígenas à morte. No entanto, ao expor os tecidos à luz UV, esse comprimento de onda é capaz de provocar modificações no material genético de células saudáveis. 

Para contornar essa problemática, o grupo de pesquisa do Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais (CDMF) desenvolveu uma nanopartícula de TiO2 (dióxido de titânio) decorado com grupos peróxidos – Ti(OH)4 (hidróxido de titânio IV) – capaz de ser ativada por luz visível com a mesma capacidade oxidativa que a nanopartícula exposta à luz UV. Tal descoberta foi abordada no trabalho intitulado “Modified Titanium Dioxide as a Potential Visible-Light-Activated Photosensitizer for Bladder Cancer Treatment”, publicado recentemente no periódico científico ACS Omega. 

“Os resultados do nosso estudo demonstraram que o Ti(OH)4 não só foi capaz de causar efeitos citotóxicos em células de tumor de bexiga, como também manteve biologicamente compatíveis as células normais, o que torna o Ti(OH)4 um potencial candidato a mais estudos para a terapia contra o câncer de bexiga”, explicou Thaiane Robeldo, primeira autora do estudo e pesquisadora vinculado ao CDMF. 

O trabalho em questão foi desenvolvido no Laboratório de Imunologia Aplicada (LIA – UFSCar), coordenado pelo docente Ricardo Carneiro Borra em colaboração com o grupo de pesquisa do professor Emerson Camargo, ambos vinculados ao CDMF, e contou com a participação dos pesquisadores Lucas S. Ribeiro, Lida Manrique, Andressa Mayumi Kubo e Elson Longo.

O artigo pode ser acessado no repositório do CDMF clicando AQUI.

CDMF

O CDMF é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepids) apoiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), e recebe também investimento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a partir do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Materiais em Nanotecnologia (INCTMN).

 

FONTE/CRÉDITOS: CDMF
FONTE/CRÉDITOS (IMAGEM DE CAPA): CDMF
Comentários: