Araraquara News

Notícias Mundo

Estados Unidos devem reabrir fronteira para brasileiros em outubro

Avanço na vacinação em massa no Brasil pode motivar retirada de restrições para turistas brasileiros

Estados Unidos devem reabrir fronteira para brasileiros em outubro
Divulgação
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

 

A notícia tão esperada pelos turistas brasileiros está muito breve de ser anunciada. De acordo com a AG Immigration, especializada em advocacia imigratória (com escritório localizado na Califórnia), o governo dos Estados Unidos deve anunciar nas próximas semanas o fim da restrição na entrada de brasileiros no país.

Alguns indícios já dão conta que o anúncio deve ser feito em breve. Recentemente, os Estados Unidos anunciaram o fim da restrição para entrada de estudantes vindos do Brasil e a retomada de agendamentos para vistos.

O avanço da vacinação em massa no Brasil e a pressão da indústria turística dos EUA também são sinais da reabertura das fronteiras entre os dois países, que deve acontecer ainda em outubro, segundo AG Immigration.

Esta será a terceira tentativa de reabrir totalmente os serviços consulares para solicitantes de vistos na Embaixada e Consulados americanos no Brasil, bom como a fronteira entre os dois países.

Em negociações anteriores, a previsão de reabertura era em maio, e depois um julho. Entretanto, devido ao atraso na vacinação em massa no Brasil durante o primeiro semestre e o surgimento de variantes da Covid-19, a decisão acabou adiada.

Mateus Cabau, araraquarense e morador na Flórida, acredita que os EUA irão exigir que os turistas apresentem a comprovação de que estão 100% vacinados (sem qualquer restrição de “nome” de vacina), além do teste de Covid com até 72 horas da data do embarque.

 

Sinais da reabertura de fronteira

No início de 2021, já começaram os primeiros sinais do final das restrições. Os postos consulares dos Estados Unidos no Brasil voltaram a aceitar pedidos de vistos para propósitos considerados essenciais para o país norte-americano, como alguns vistos de trabalho temporário e de imigração.

Há pouco tempo, a Embaixada e consulados dos Estados Unidos voltaram a disponibilizar agendamentos para quem precisa renovar ou solicitar vistos pela primeira vez. A prioridade é para estudantes cujos cursos se iniciarão ou serão retomados a partir de agosto.

Um fator importante é que pessoas viajando do Brasil para os Estados Unidos, com vistos de estudo, também poderão voltar a entrar em território americano sem a necessidade de fazer quarentena em outro país, já a partir de agosto. Ainda é necessário apresentar um teste negativo para covid-19, até três dias antes do embarque aos EUA.

 

Viagens já dobraram de volume

De acordo com o site Decolar, entre maio e junho deste ano, duplicou a procura por passagens para Nova York, Orlando e Miami, com embarque no México.

A escala obrigatória se deve à restrição imposta pelo governo norte-americano, que proibiu a entrada de qualquer pessoa que more ou tenha pisado em 38 países, Brasil entre eles — o único jeito de driblar a medida é passar pelo menos 15 dias em um país que não faça parte da lista antes de cruzar a fronteira.

O preferido dos brasileiros tem sido o México. Cidades como Cancún e Playa del Carmen estão entre as mais procuradas pela beleza das praias. Mas a temporada pesa no bolso.

 

Pressão no governo norte-americano

Um fator que merece destaque para a tão sonhada reabertura das fronteiras, não somente com o Brasil, mas também com outros países que ainda sofrem restrições da pandemia, é a pressão que o governo de Joe Biden vem recebendo de diversos segmentos profissionais e indústrias americanas, em especial as grandes companhias de tecnologia e informação, que tradicionalmente contratam bastante mão-de-obra estrangeira qualificada e, sobretudo, a indústria do turismo, que representa 2,8% do PIB americano, e está entre as mais importantes e lucrativas do país.

Segundo a AG Immigration, em 2019 o turismo dos Estados Unidos gerou 712 bilhões de dólares, enquanto em 2020, devido à pandemia, este número diminuiu para 396,37 bilhões. Isso representa uma queda de 42,1%.

Para 2021, a previsão é de retomada total do crescimento do turismo na América até o fim do ano, o que depende bastante da reabertura de fronteira com países que tradicionalmente viajam para visitar as muitas atrações turísticas dos Estados Unidos, incluindo a China, Reino Unido e o Brasil.

Luiz Arnaldo Haddad, presidente da Chalu Imóveis, está ansioso para poder receber os clientes com a equipe ‘Chalusa’, em Orlando.

“Ver os clientes da Chalu conquistarem seu patrimônio dolarizado, no destino mais desejado das Américas, e  ainda escutar eles dizerem  que são  vizinhos do Mickey, é motivo de muita satisfação”, disse.

FONTE/CRÉDITOS: Divulgação
Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!