Araraquara News

Colunas/Opinião

Assédio é crime! Denuncie

Se você foi vítima de assédio ou importunação sexual, denuncie à Central de Atendimento à Mulher. Disque 180

Assédio é crime! Denuncie
Sindicato dos Bancários de Santos e Região/Reprodução
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Como jornalista, participo de vários grupos de WhatsApp com colegas de ofício. Na manhã de 29 de setembro, um desses colegas compartilhou o vídeo do assédio sexual sofrido pela ciclista Andressa Lustosa, em Palmas, na região sul do Paraná. Nas imagens, é possível ver um carro se aproximando dela e, na sequência, o carona passando a mão em seu corpo. Com o susto provocado pelo ataque, Lustosa se desequilibrou e caiu no chão. Os assediadores, por sua vez, fugiram. 

Logo que o vídeo foi publicado no grupo, pipocaram comentários - acertadamente - condenando os criminosos, e relatos escabrosos de assédios que ocorreram com pessoas próximas a mim. 

Fiquei chocado. Na minha inocente - e um tanto quanto medíocre - cabeça de homem, hétero e privilegiado, acreditava que casos assim fossem excessões e que as importunações sexuais, quase sempre, se limitavam às cantadas.

Ledo engano. 

Abaixo, alguns relatos que li no grupo de jornalistas que mais me revoltaram:

“qdo eu era adolescente, deveria de ter uns 13 anos, estava de saia, andando na rua com a minha mãe, um imbecil passou a mão de baixo p cima. Só de falar lembro da sensação de nojo. Custei a andar de saia novamente depois disso, falar a verdade, evito andar de saia qdo preciso caminhar, só qdo desloco de carro de um lugar p o outro”.

“indo trabalhar de vestido, atravessando a Av… [nome da avenida omitido pelo articulista], um cara descendo a avenida de bicicleta puxou meu vestido na altura da cintura... (o vestido era bem corporativo, nem era curto e mesmo que fosse) ... Voltei chorando para casa e ainda tive que ouvir da minha família que eu não deveria sair de vestido…”.

“Gente, já pedi demissão pq o superior preferiu o cara que me agarrava no escritório, na hora do almoço... triste realidade”.

“Eu bati em um [homem]. Pq ele passou a mão. Eu virei e disse: repete. Ele repetiu . Eu quebrei um copo na boca dele”.

Assim como as histórias acima despertaram em mim a necessidade de gritar contra essas agressões e tentar, de alguma forma, denunciar e modificar esse comportamento criminoso que se tornou sistêmico entre a maioria dos homens; espero que você, leitor, sinta o mesmo. E que essa nossa indignação passe para outras pessoas a ponto de não tolerarmos mais criminosos agindo impunemente.

Se você foi vítima de assédio ou importunação sexual, denuncie à Central de Atendimento à Mulher. Disque 180.

Comentários:

Veja também

Crie sua conta e confira as vantagens do Portal

Você pode ler matérias exclusivas, anunciar classificados e muito mais!

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )